santo remédio

R E M É D I O S

O remédio que resolve problemas graves é chamado um “santo remédio”.
Dizem também: Deus querendo, água do pote é remédio.
A: - P L A N T A S   M E D I C I N A I S :
São administradas em chás, garrafadas, xaropes, cheiros e defumadores, em banhos e em banhas. - É bom lembrar que não só raizeiros conhecem raízes, sementes e folhas. Todos conhecem e usam as plantas medicinais: quebra-pedra, boldo, carqueja, hortelã. Especialmente, o conjunto das mulheres de uma rua ou bairro cultiva o conhecimento das plantas. Quando alguém adoece, as comadres conversam. Uma sabe o que é bom, outra sabe onde cresce. Vão aqui aqui apenas alguns exemplos do uso das plantas e sem nenhuma garantia da parte do autor deste artigo.
            AGONIADA  Planta medicinal para tratamento das doenças do útero, dos ovários, da asma. Cura corrimentos.
            ANGICO  Planta medicinal. Misturado ao olho-de-goiaba e à casca do pajeú, é usado como remédio contra veneno de cobra(BA,médio São Francisco).
            ASMA  Remédio contra asma: Toma-se três raízes de erva cidreira(socadas) e três casas de “Maria Barreira”(marimbondo). Depois de tudo fervido e coado, tomar o chá.
            CAJU  Como remédio, o caju é bom para tosse de cachorro, depurar o sangue, contra escorbuto, afta, cólica intestinal, males dos rins. A cinza serve para dentifrício. A casca, boa para tirar cansaço. O óleo da castanha é útil para desinfetar e para verme no intestino, ajuda na cura de eczema e de hanseníase, cicatriza verruga e úlceras. O suco da fruta, entre outras coisas, é bom para tratar diabetes, sífilis, icterícia, dores de mulher.
            CAPIM-AÇU  É bom para o pulmão e cura coqueluche, que chega a prejudicar as vistas da criança. Usam o sumo do capim-açu com leite de égua. É um remédio quente. Também levar a pessoa para dentro do rio de manhã cedo e mergulhá-la três vezes dentro da água. Existem ainda as simpatias para curar coqueluche: casinha de “Maria Barreira”. O governo promove a vacinação preventiva e obrigatória.
            GUINÉ  Planta medicinal, mas fedorenta. A raiz é remédio fino, diurético, depurativo do sangue, traz alívio na dor de dente, e é abortivo. Guiné na cachaça de uso externo é bom para reumatismo. Doses elevadas podem levar à morte. Defumatório de folhas de guiné nas sextas-feiras às portas das casas ou dentro delas é usado como preservativo contra mandingas e coisas-feitas. Há figas esculpidas em guiné, e Santo Antônio de Guiné.
            A COLHEITA DAS PLANTAS MEDICINAIS  Há plantas que, por  mistério, apenas aparecem em determinada hora ou dia. Há plantas que ganham mais força quando são colhidas no dia de certo santo, por exemplo na noite de São João ou em Sexta-feira Santa. O curador em busca de plantas medicinais poderá pedir licença: Deus te salve, laranjeira que venho te visitar. Venho te pedir uma folha para nunca mais voltar.11 Segundo os raizeiros, há plantas encantadas que só são encontradas após certas cerimônias. O mesmo existe na Angola. - É costume plantar para o uso medicinal, um pouco de alho, fumo, arruda, na Sexta-feira da Paixão(o dia da salvação).
            É impossível separar a planta medicinal da religião. A própria rezadeira benze e ensina as plantas. Há muitas plantas com nomes religiosos: espinheira santa (Neutraliza o ácido, por isso é boa contra úlcera no estômago. O suco cura até bêbados. Encontrada na região de São Paulo ao Rio Grande do Sul.) malva-de-São-Francisco, São-Caetano, Santo Inácio, Vassourinha de Nossa Senhora, raiz-do-Espírito Santo, etc..
 
B: - O U T R O S   R E M É D I O S
            BANHA  Pomada da medicina popular. Exs: banha de jibóia é boa para reumatismo; banha de capivara para zoeira nos peitos; banha de canela da ema para surdez; banha de galinha é bom para perebas e tumores; banha de jacu é usada na asma e chiadeira do peito; banha de porco desinflama panariz e, derretida na pinga, cura embriaguez. Banha de traíra cura dor de ouvido.
            CORDÃO UMBILICAL  É guardado e usado para remédio: chá de cordão é usado contra epilepsia.
            CREOLINA  Remédio caseiro contra a malária e dor de dente. Num gargarejo, cura dor de garganta. Umas gotinhas no café da manhã curam a gripe. Na água do banho, para curar caruara, frieira e feridas e ficar com a pele lisa. Ela pura cura bicheira.
            RISCADO DE CINZA  Cura empazinado. Barriga doendo, porque cheia de gaz. Remédio: riscado de cinza de fornalha. Beber a água e passar a borra em cruz no umbigo. Observamos a não-separação de remédio e reza.
            LEITE MATERNO   Usado como colírio.
            PEDRA-DO-BUCHO  O mesmo que maçã, benzoá, bezoar. Trata-se de uma bola compacta de pelos(tricobenzoar) ou vegetais, formada no estômago dos ruminantes. É usada, entre outros, contra a lepra(no Vale do Jequitinhonha.MG).
            PICUMà ou PUCUMà Fuligem do fumeiro, às vezes usado em remédios e para curar o umbigo de recém-nascido.
            RAPÉ  Pó de fumo de rolo, torrado e moído. Dor de barriga de menino é curada com três cruzinhas de rapé em cima do umbigo. Há também o rapé de emburana macho.
O povo distingue: remédio fino, remédio fresco e remédio quente:
            REMÉDIO FINO  Provoca suadouro. Por isso o doente não pode se molhar na água fria de chuva ou banho. Remédios finos: (Alguns exemplos) - Gendiroba (torrada e moída) tomada sem dieta, um baguinho só, é bom para dores de cólica e de estômago; (Com sebo) pomada contra dores de reumatismo. - Guiné (raiz na pinga) bom para dor e reumatismo. Contra mordida de cobra. - Pau-de-ovelha (muqueca quente) bom para reumatismo e dor. - Folha da negra-mina (folha amarrada na cabeça) bom para dor de cabeça e ar-de-estupor. - Alho (chá) contra dor de dente. - Jalapa (doce de jalapa) contra vermes.
            REMÉDIO FRESCO ou FRIO  O remédio fresco, chá fresco, refresca o corpo por dentro. Cura mau-estar da vista, dos rins, fígado e intestino. Remédios frescos: açafroa, quina, quebra-pedra, salça, jalapa, picão, poejo, peroba rosa, tiuzinho, limão, folha de abacate, água-da-colônia (raiz), cipó-de-São-João (raiz), pimenta malagueta, tomate, limão e caju. Folha de caju (folha seca?) cozida e adoçada é ótima.
            REMÉDIO QUENTE  O remédio quente põe a doença e o calor para fora do corpo. Usado nas doenças Sarampo, febre, catapora, coqueluche, bixiga, gripe, asma, e outros. Remédios quentes: carro santo, pimenta-do-reino, raiz de fedegoso, cravo, amendoim, alfavaca, unha danta, sabugueiro, gengibre, agrião, hortelã, limão (assado), laranja tanja, levante, anador da farmácia e outros. Alguns destes são remédios finos. O remédio quente incomoda o fígado, os rins e o intestino.  

S I M P A T I A S :

            Entre remédios, rezas e simpatias, o remédio e a reza são os mais fáceis de definir.
            A simpatia, como elemento menos racional, é mais difícil de entender. Não é um remédio nem uma medalha. A própria palavra simpatia já sugere um coisa que não se explica. Vejamos: uma criança não caminha bem. A mãe pega na teia de aranha aquele bolinha amarela que é formada pelos ovos da aranha, e esfrega-a na perna da criança. Que é isso? Alguém poderia dizer: Ali tem cálcio, tem proteínas, fazendo assim da simpatia um remédio. Está errado! Observem: a aranha caminha que é uma beleza. A mãe passa os ovos da aranha na perna da criança imaginando que a agilidade da aranha passe para a criança. É isso aí. Outros banham a perna da criança com chá de pé de veado, pelo mesmo motivo. Criança gaga bebe água da campainha do altar. Esperam que o som desembaraçado da campainha que faz todos levantar e ajoelhar na igreja, passe para a criança. Mas como pode? Não sei. Eu já não disse que as simpatias não se explicam! Os exemplos que dei, ainda parecem ter alguma lógica. Outros não tem nenhuma.
            Há simpatia de amor, de boa sorte, para ganhar no jogo. Há simpatias que a pessoa envolvida não pode saber. Outras a própria pessoa faz. Na medicina popular, as simpatias servem para curar verrugas, hemorróidas, asma, epilepsia, soluço, para o cabelo crescer, para não secar o leite materno, na hora do parto e para sair a placenta. Muitas vezes aparecem em conjunto com remédios e rezas. Há simpatias de prevenção: por ex., para fechar o corpo.
            A palavra ‘simpatia’ vem do grego, “sentir juntos o mesmo”. Parte fundamental da medicina popular, as simpatias vem de tempos remotos. Um médico suíço do séc.XVI, Paracelsus, julgava necessária a “antiga arte de fazer uma simpatia com a doença”. Esta prática parece ter vindo do antigo Egito. A simpatia revela uma diferença entre a terapia puramente intelectual e outra pelo curador que conhece a doença por experiência própria e que peleja com o sofrimento dos outros. O amuleto é uma espécie de simpatia. Embora a simpatia não se explique, o funcionamento da simpatia supõe alguma relação íntima entre homens, animais, plantas e planetas. A intuição desta profunda união não leva em conta as leis de causa-fim. Por ex.: para secar o leite materno a mulher põe ao pescoço um cordão de talos da mamona. Fazendo uma simpatia, as pessoas buscam na ação a concretização de um desejo. O uso das analogias para encontrar remédios é antiquíssimo. Mas foi Paracelso(1493-1541) que elaborou um sistema lógico a respeito. Seguem mais alguns poucos exemplos tirados da medicina popular:
            EMPELICADO ou APLICADO   Diz-se da criança que nasce coberta por uma película. Nasceu empelicado quer dizer, nasceu para ser feliz e ter boa sorte. Alguns colocam a película, depois de seca, como simpatia no travesseiro da criança, sem ser revelada.(Araçuaí.MG.1991.)
            HEMORRÓIDAS   Também chamada caseira. Existem orações e simpatias para tratá-las, como sentar-se no couro do bicho preguiça. Usam banhar com erva-de-bicho. Colocam o pó da pele torrada da moela de galinha(MG).
            MALEITA  O mesmo que malária. Maleitado, com febre. Além de remédios, encontramos uma simpatia engraçada para afastar ou queimar a maleita. Querendo proteger-se da doença, a pessoa leva na cabeça um feixinho de gravetos até uma encruzilhada. Lá prepara uma trempe como se fosse uma fogueira e diz três vezes: Maleita, fica aí que eu vou buscar fogo pra fazer café para nós. Depois afasta-se sem olhar para trás, que a maleita ficará presa entre os gravetos.12
            PREGO  O gesto mágico de bater um prego numa árvore para livrar de febre, dor de dente e hérnia, já existia na Europa antiga precristã e perdura até hoje. Conforme uma simpatia tradicional em Betim(MG), para diminuir o umbigo grande da criança, a mãe deve bater um prego novo num cupim. Na medida que o prego some pela ação do cupim, o umbigo vai diminuindo.
            PROTEÇÃO  Plantas como espada-de-São Jorge e guiné são usadas como simpatia e protegem moradias e locais de comércio de maus olhados e outros fluidos maléficos.  
  R E Z A :
            Em Araçuaí(MG), registrei umas 2500 rezas. Boa parte serve para curar doenças. Muitas para quebranto. Outras tantas para estancar sangue numa ferida, para engasgo, para dor de dente, dor de pontada, para lombrigas, para cobreiro, para íngua e muitas outras. Algumas orações não podem ser reveladas. Algumas são preventivas, como a oração de São Bento para cobra não ofender.
            No nosso contexto, o benzimento ou a bênção é um ritual de cura. Há benzimentos para doenças específicas e outras que servem para qualquer doença. Por ex., faça um sinal da cruz e diga: Eu te benzo pelo nome que te puseram na pia, em nome de Deus e da Virgem Maria, e das três pessoas da Santíssima Trindade, eu te benzo. Deus nosso Senhor que te cura, Deus que te acuda nas tuas necessidades. Se teu mal é quebrante, mal invejado, olhos atravessados ou qualquer outra enfermidade, se te deram no comer, no beber, no sorrir, no zombar, na tua formosura, na tua gordura, na tua postura, na tua barriga, nos teus ossos, na tua cabeça, na tua garganta, nas tuas lombrigas, nas tuas pernas. Que Deus Nosso Senhor que há de tirar, vem um anjo do céu, deita no fundo do mar onde não ouça galinha e nem galo a cantar. Faz-se uma cruz em cima o copo e reze o credo três vezes, na segunda vez reze um PN à Santíssima Trindade e na terceira vez uma Salve Rainha a Nossa Senhora. Faça essa oração três dias seguidos. Antes do benzimento colocar um copo com água e depois dar para a pessoa beber.(Casa Branca.SP. 1994)
            No ritual da cura, não se separam corpo e alma. Não é possível salvar somente a alma ou apenas o corpo. Por isso, é possível estar com o diabo no corpo. E até: deitar a alma pela boca. Nas doenças amarram um cordão de orações no corpo, oferecem no santuário o peso do corpo em cera. Numa oração para parto e numa outra contra lombrigas, anotam-se numa tirinha de papel as letras iniciais da oração, para serem engolidas.  Muitos trazem no corpo as marcas do sofrimento, da seca, da violência, da pobreza, da doença. Para ficar invulnerável contra todos os males e perigos existem os rituais para fechar o corpo.
            Algumas fórmulas de rezas são tão antigas que suas origens seguramente se encontram na mitologia germânica ou céltica do início da história da Europa pré-cristã. Temos o exemplo da reza de izipa, encontrada num código austríaco do séc.IX, ainda na época da cristianização da Europa por Carlos Magno: Do tutano deu no osso, do osso deu no nervo, do nervo deu na carne, da carne deu na pele, da pele foi para as ondas dos mar etc, etc. Mas, mesmo assim, as rezadeiras se adaptam aos tempos modernos. O micróbio já entrou na oração contra dor de dente. O gelo na bênção da carne quebrada.
              Duas formas  de oração ligadas às curas:
           - A oferta do ex-voto, objeto de cera, madeira, prata e outros materiais, em forma de cabeça, perna, peito e outras partes do corpo humano: ou então, muletas, pinturas, fotografias, miniaturas, para pedir e agradecer curas, proteção divina em perigos, graças alcançadas ou outra experiência religiosa. Os ex-votos ou ‘milagres’ são deixados em santuários de romaria.
            - O exorcismo ou esconjuração. Em nome de Deus e através de rito ou palavra dominar e expulsar um espírito mau e os vermes de doentes, possessos de demônio ou encosto. O exorcismo tem como resultado a cura, a reconciliação e o perdão, enfim, a salvação. Hoje usado frequentemente nas igrejas pentecostais e no movimento carismático católico.
            Grandes epidemias históricas deixaram suas marcas na oração pública. Vários benditos de São Sebastião, São Barnabé, e de São José falam em “peste, fome e guerra”. Especialmente os cantos de penitência. Muitas destas coisas tem origem portuguesa e devem ter surgidas nas epidemias, crises de fome e nas guerras de reconquista e cruzada acontecidas em Portugal. Crises de fome em Portugal aconteceram em 1202, 1310, 1333-1334, 1521-1522, 1597, 1655, 1659.
            O ar é um dos quatro elementos e está muito presente nas bênçãos. Vejamos a oração contra mal-de-vento-excomungado(ou: ar bravo), em Ponte Nova(MG): Vento maldito vento excomungado Nosso Senhor não te quer aqui. Nossa Senhora há de ti tirar. Nossa Senhora há de ti levar. Ou então: Vento mau excomungado, vento maldito, vento que Nosso Senhor não deixou no mundo, Se é na cabeça, São Anastácio tira. Se é nos olhos, Santa Luzia tira. Se é no nariz, Santa Iria tira. Se é na boca, Nossa Senhora tira. Se é na orelha, São Francisco tira. Se é nos braços, santa Cruz tira. Se é no corpo, Senhor dos Passos tira. PN. AM.13
            Uma oração contra queimaduras menciona três do quatro elementos: O fogo não tem frio, a água não tem sede, o ar não tem calor, o pão não tem fome; São Lourenço, curai estas queimaduras pelo poder que Deus vos deu. Fazer o sinal da cruz e oferecer um PN para São Lourenço.14            
         A oração vem junto com o remédio: folhas machucadas de abóbora colocadas em cima da queimadura. Há quem cura queimadura com cuspo.
            Existem alguns rituais de cura que colocam o tratamento encrustrado na oração, isto é, reza parte das palavras antes e outra depois. Por ex., quando se vê que um parto será difícil reza a Salve Rainha até “nos amostra” e quando a criança nasceu continuam “o bendito fruto do vosso ventre Jesus etc”.
            A verdade cura. É importante observar de que maneira algumas grandes verdades aparecem em orações para curar, juntamente com a fórmula: Assim como isto verdade é, etc.. Concretamente, numa bênção de mau-olhado: <...> Jesus Cristo mente? Não Jesus Cristo não mente! Assim como Jesus Cristo não mente, este mal não vai adiante. Da mesma forma usam a verdade: Maria é Virgem, na oração contra a moléstia do tempo. E para curar bicheira afirmam:  Trabalhar no domingo não vai para frente; Quem come e não reza, não se salva; Limpas ficaram as cinco chagas de Nosso Senhor; e: Quem come e não reza, não se salva.  Rezam: Assim como trabalhar no domingo não vai para frente, esta bicheira não vai adiante. Cai de um em um, cai de dois em dois etc.
            --------------------------------------------------------

C U R A D O R E S
            Na cultura popular do Jequitinhonha, quem trata os doentes é o benzedor, a rezadeira, o raizeiro, a parteira, o meizinheiro.  As grandes diferenças entre o curador do povo e o médico profissional explicam a desconfiança do povo frente à medicina oficial. O médico não conhece as plantas medicinais e nenhuma benzeção. Além disso, parece melhor não conversar com o doutor sobre as simpatias.
            Na religiosidade popular, qualquer cura é obra de Deus. Dizem: Deus cura e o médico manda a conta. As rezadeiras dizem: É Deus que cura, não podemos cobrar. Ouçamos o benzimento para mau jeito:
Te curo de carne quebrada, torna te a soldar./
Nervo torto torna a seu lugar./
Nervo que retorceste, Deus que te põe onde nasceste./
Eu que te benzo. Deus que te sare./
Onde eu ponho as minhas mãos, Nossa Senhora dá santidade./
Deus queira curar esta quebradura,/
esta rendidura que esse pobre enfermo tem./
Seja pelo amor de Deus, seja tudo. Amém.//
(Ribeirão Preto.SP.1994)
            Alguns exemplos citados não são de Minas, mas tem variações no nosso Estado. Isso pouco importa quando a quase totalidade veio mesmo de Portugal e foi adotada e recriada aqui.
          Uma cura milagrosa pertence às possibilidades. Segundo várias histórias populares, o próprio Jesus ensinou orações e remédios. Como exemplos citamos as benzeções de erisipela, peito arrotado e engasgo. Também os santos curam por intercessão divina: Santa Iria, Santa Luzia, São Sebastião, São Lázaro, Santo Antônio, São Brás, Santos Reis, São Raimundo Nonato, São Bento; também os santos não canonizados: Doutor Guerra, a parteira Maria Conga, Padre Eustáquio, Padre Frei Clemente, e muitos outros. Observamos que o santo curador às vezes conhece a doença por experiência própria: Santa Luzia que perdeu a vista, cura os olhos; São Lourenço que foi martirizado no fogo, cura as queimaduras; Padre Frei Clemente morreu envenenado e é invocado contra a picada de cobra.
        Na medicina popular, o tratamento geralmente supõe um ritual. A cura pode ser o resultado de um exorcismo.
        Nas tradições afro-brasileiras e indígenas, o curador é um intermediário privilegiado entre o mundo dos homens e o mundo dos espíritos, sejam caboclos, pretos velhos ou outros. Possuído por entidades espirituais, o xamã exerce seu papel terapêutico pelo bafo sagrado. No candomblé, os orixás Omulu(“o médico dos pobres”) e Ossáin(orixá das folhas) tanto curam como podem causar doenças.
        Paulo César Alves tece interessantes reflexões sobre a vocação do curador no jaré:  “São os caboclos(antepassados) que forçam o indivíduo a tornar-se curador, causando-lhe uma série de infortúnios até que ele resolva acatar seu destino. Praticamente nenhum curador fala da sua carreira enquanto escolha pessoal.<...> Ele é escolhido pelas divindades e essa escolha é revelada por sonhos, transes e, principalmente, comportamentos associados à loucura”.1 Tal curador não precisa de estudos, pois seu saber é revelado e o poder de cura lhe é dado pelos caboclos, segundo a ideologia local. A interpretação que o curador oferece para um determinado problema pouco se diferencia daquela dada pelo paciente. 
            Vamos olhar de perto o raizeiro, o benzedor, a rezadeira, e o doutor.  
-           O raizeiro:  Trata-se de um homem que procura e vende as raízes medicinais, muitas já conhecidas pelo povo. Um raizeiro amigo me disse: No próprio mundo que Deus criou, tem remédio para tudo que o diabo tocou. Outr falou: Neste mundo de Deus tem tudo o que é remédio para as malartes do capeta.  Além dos raizeiros que só preparam os remédios: rapé, banhos, banha, garrafada e explicam como fazer um chá, há outros  que são curadores e dão olhada ou revista.   Por ex.: O raizeiro Bilô(Araçuaí,MG) pede que as pessoas com doença ou outros problemas coloquem num papelzinho o nome, a idade e o incômodo. Quando vai preparar os remédios, põe a mesa para o Divino e entrega tudo a Deus que cura. Há pessoas que lhe pedem remédio para cura de doenças, para alguém parar de beber, para proteção de algum mal que está acontecendo, para as vacas darem cria e as éguas pararem de criar ou para tirar as cobras da roça. É comum hoje o raizeiro consultarem livros como: “As Plantas Curam.” de A.Balbach, 27ªEd. São Paulo, Ed.MVP, 1970; “Guia da medicina vegetal.” da A Natureza, produtos farmacêuticos em São Paulo(sem data); “Produtos Vegetais da Flora medicinal.” de Dr.J.R.Monteiro da Silva, Rio de Janeiro(sem data); “Cuide de sua Saúde.” de Jaime Brüning. 18ªEd. Cascavel, Assoeste, 1990. 
-             Temos também os benzedores homens e mulheres. Há três elementos essenciais para compreender o povo e o benzedor: a fórmula da bênção, a fé na cura que é dom de Deus e a confiança da comunidade no curador. - O benzedor tem que saber as orações. Uma benzedeira disse: Quem troca as rezas é desastroso igual o médico que troca os remédios. Mas, ao mesmo tempo, afirma que diante do doente, não sabendo a fórmula certa, qualquer palavra resolve, rezando com fé. - A cura é pela graça de Deus. Pela bênção do rezador, o doente sara. Às vezes, o benzedor sugere o uso de algum remédio. Mas ele “não cobra, senão estaria fazendo negócio e é Deus que cura”. - O benzedor é procurado por pessoas da sua comunidade. Quando o benzedor morrer, as pessoas procuram outro alguém que possa curar a picada de cobra, a espinhela caída, o quebranto. É a comunidade que faz o benzedor.
-          O benzedor homem é procurado em especial para rezar em ofendido de bicho mau, para ir tirar cobras de uma fazenda, para estancar sangue, para curar bicheira e outras coisas. Mesmo assim, rezar em bicheira de animal qualquer pessoa de fé pode fazer.
-          A rezadeira ou benzedeira reza em quebranto, e outros incômodos das crianças. Também em carne quebrada, fogo selvagem e muitas outras coisas de que sofrem os adultos. Não vemos rezadeiras falar em “dons paranormais”. - A rezadeira se moderniza. Além das plantas medicinais e das simpatias, pode até sugerir algum remédio que ela conheceu na farmácia. Pode aprender alguma reza nova. – A rezadeira conhece a família do doente.
------------------------------------------------ 
Na medicina popular encontramos: chá de raízes, folhas, flores, cascas, sementes; tomam cachaça com raízes, ou mesmo com uma lagartixa torrada; tomam caldo de meleto e de mocotó; há o banho com plantas medicinais ou com bosta de boi que é bom para a pele; fricção com cachaça ou álcool e “alcanfor”, cobra, escorpião; inalação da fumaça de certa resina sobre brasa contra dor de cabeça; fumam cigarro de folhas, flores ou o cigarro contendo um espinho de ouriço caixeiro; barreiam o peito com lama da casinha da vespa “maria-barreira”; usam banha de jibóia, carneiro, galinha; pingam colírio de arruda nos olhos e sumo de saião nos ouvidos; urinam numa ferida fresca para estancar o sangue; fezes humanas quentes servem para tirar espinho ou levar a furo um furúnculo; colocam folha de fumo na barriga contra a dor e esquentam uma metade de laranja-da-terra na chapa do fogão para colocar na cachumba. Há também o costume de tomar a medida do corpo do doente, soprar o doente de cima até em baixo, pôr um galhinho de arruda atrás da orelha, costurar uma minúscula imagenzinha de Sto.Antônio dentro da pele, carregar um patuá ou uma medalha ao pescoço, pôr uma garrafa com água na cabeça para tirar-lhe o sol. Além de, batizar de novo, passar óleo de Bom Jesus de Congonhas, benzer com três raminhos, beber um copo de água que foi bento durante um programa de rádio. Em certos momentos, a cura é feita no rastro da pessoa ou do animal. Algumas moléstias são ferradas na Sexta-feira da Paixão. Vemos curadores costurando uma linha logo acima de uma carne quebrada. Outros curam, fazendo perguntas e exigindo respostas. Há procedimentos que buscam transferir para animais, vegetais e mesmo pedras as doenças que aparecem no homem. O povo tem esperança de livrar-se de febres, doenças de pele, úlceras, amarrando panos que tiveram contato com o corpo do doente em árvores como a gameleira, a pereira, o juazeiro, o cardeiro. Há os que benzem, antes do nascer do sol. Outros conversam com a lua. Registro o costume de amarrar um cordão de orações no corpo e de oferecer no santuário o peso do corpo em cera. Existe também o banho de cheiro. Uma vez que é melhor prevenir que remediar, muitos realizam rituais para fechar o corpo.

Para aproximar-nos mais do universo da medicina popular vamos observar alguns poucos tratamentos específicos:
        AJUDAR A MORRER Quando a doença se prolonga indefinidamente, o povo comenta que o doente está tão fraco que não tem forças para morrer. Às vezes é preciso ajudar o doente a morrer. Usam passar sebo nas frontes ou dão de beber vinho de missa, leite de peito, ou caldo de sebo. Às vezes, quando o doente está endiabrado, com o espírito atormentado, resolvem até batizá-lo de novo. Outros rezam as palavras ditas e retornadas da oração do Anjo Custódio.  Existe um emplastro para ajudar a morrer. Quando o doente está mal, completando as horas mas não morre por falta de força, faz-se um emplastro de ovo batido misturado com farinha de trigo e vinho e se coloca sobre o estômago do moribundo. Tudo isso é considerado uma obra de caridade.3
        BICHEIRA  Ferida causada por larvas da mosca varejeira.  Quando um animal tem maus, isto é o verme da bicheira, é possível curar no rasto. Basta passar um ramo verde sobre o rasto do animal. Outros cobrem o rasto com uma pedra. Também pode bater com uma pedra em três rastos do animal. Getúlio César registra a seguinte oração: Maus que come, não se logra; quem come e não reza, não se salva. Oficial de justiça não se salva; delegado não se salva; promotor não se salva; juiz de direito não se salva e muitos padres colados não se salva. E assim, caia de um em um, de dois em dois, de três em três, de quatro em quatro, de cinco em cinco, de seis em seis, de 7 em 7, de 8 em 8, de 9 em 9, de 10 em 10, de 11 em 11, de 12 em 12, de 13 em 13, caia de um em um, não fique nenhum. Amém.4 Outras rezas contra bicheira: Assim como o trabalho no dia Domingo não põe ninguém pra diante, será também os bichos desta bicheira. Há de cair de nove a nove, de sete a sete, de cinco a cinco, de três a três, de um a um até ficar nenhum. Rezar 3 vezes. (GO). Mal que comeis a Deus não louvais! E nesta bicheira não comerás mais! Hás de ir caindo: de dez em dez, de nove em nove, de oito em oito, de sete em sete, de seis em seis, de cinco em cinco, de quatro em quatro, de três em três, de dois em dois, de um em um! E nessa bicheira não ficará nenhum! Há de ficar limpa e sã como limpas e sãs ficaram as cinco chagas de Nosso Senhor! Fazer uma cruz no ar.(CE). Um remédio usado contra bicheira é o pó de café.
        BRONQUITE. Simpatia: três anos em seguida, na Sexta-feira Santa, levar a criança doente de manhã cedo no curral. Levanta-se algum boi deitado e coloca a criança no mesmo lugar quentinho onde o boi deitou.(Araçuaí.MG) A bronquite asmática, chamada estalecido, é curada com simpatia(uma formiga-onça costurada viva num patuá) e o remédio(óleo de tanajura).
        BROTOEJA ou BROTOEJO  Erupção na pele de criança recém-nascida. Em MG, para tratar de brotoejo, coloca-se um pedaço de caco de telha no fogo até ficar vermelho e coloca na água de banho da criança.
        CARNE QUEBRADA Luxação, torcedura numa parte do corpo. Em todo o Brasil, benze-se cosendo com uma agulha um novelo de linha. Dizem coser de jeito. A rezadeira pergunta ao doente: Que é que eu benzo? Resposta: Carne quebrada, nervo rendido, osso partido. Repetem tudo 3x. Outra bênção pra coser carne quebrada: Cristo nasceu; Cristo ressuscitou. Emendai esta carne, este nervo, este osso que aqui me quebrou. Benzer em cruz(MG). A rezadeira Luiza Teixeira Ramalho em Araçuaí(MG), ensina um remédio: coloca uma papa de limão com sal; depois passa azeite doce para não dar izipa. É para juntar a carne e para encanar o sangue.(1994)
        COBREIRO Na medicina: Herpes-zooster. Doença dolorosa da pele. Mancha de bolhas doloridas. As orações falam da cabeça e do rabo desta mancha. O cobreiro vem de aranha, lagartixa, sapo e todos os animais que tem peçonha. Quando estes bichos passam em cima das roupas estendidas no quintal pode largar o cobreiro. Por isso, não se deve vestir as roupas lavadas sem passar o ferro quente que mata o veneno. Há diversas maneira de curar: uns fazem cruzes com tição de fogo por cima do cobreiro; outros passam um ferro quente num pano que por sua vez é colocado quente no cobreiro; uns cosem ritualmente com agulha e pano. Todos fazem alguma bênção. Em MG, encontramos oração semelhante: O que corto? cocho, cochão, sapo, sapão, lagarto, lagartão, todo bicho de emanação para que não cresça, não apareça, não ajunta o rabo com a cabeça. Santa Iria tinha três filhas, uma lavava, outra cosia, outra pela fonte ia. Perguntou Santa Maria: cobreiro brabo com que curaria? Com um Padre-Nosso e três Ave-Maria, oferecidas às almas benditas que me auxilie nesse momento. Pede a presença do Pai Conguinho, Dr.Randolfo Soares e Nossa Senhora Aparecida.5 Em Cariranha(BA), a Dona Irene risca com caneta em volta do cobreiro e escreve Maria, valei-me. Ela explica: Se não cortar o cobreiro, ele dá a volta naquela parte do corpo e a pessoa morre.6 Outra rezadeira diz: Quando Jesus andava pelo mundo, encontrou São Pedro sentado numa pedra fria. - Que tem, Pedro? - Cobreiro bravo. - Curai, Pedro. - Com que, Senhor? - Com água da fonte, raminho do monte e as três pessoas da Santíssima Trindade Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.(Divinópolis.MG)    Sumo do tronco da banana-de-São-Tomé é usado como remédio contra cobreiro.
        DOR DE OUVIDO Contra a dor de ouvido existem remédios e a reza que começa com as palavras: Detrás das tabinhas, onde estava o Senhor escondido, pelo furto da galinha sara essa dor de ouvido.(Cf.Is.58,7-8) Para entender esta reza havemos de conhecer a história que Ana Pereira conta: Jesus quando andou no mundo, andava como um velho que pedia esmola. Certo dia chegou na casa de uma dona que preparava uma galinha para o almoço. Aí, o velhinho, que era Jesus, pediu um prato de comida. A mulher viu que ele estava com fome, mas disse: Não posso dar porque meu marido está perto de chegar e ele não quer que ajudo ninguém. É muito ciumento. O velhinho respondeu: Não se preocupe. Pode dar, não faz mal. Na mesma hora que o velhinho recebeu o prato, o marido chegou na casa. Jesus se escondeu com o prato atrás de umas tábuas. Mas o marido perguntou logo pelo homem que havia entrado e arrumou uma briga feia com a esposa. Jesus aproveitou para sair. O marido ainda disse para a mulher: Você roubou um pedaço de galinha. No momento que ele falou assim, sentiu uma forte dor de ouvido que não queria parar. Aí, a dona mandou um menino atrás do velhinho para perguntar se ele não sabia alguma reza para benzer dor de ouvido. Então Jesus ensinou as palavras: “Detrás das tabinhas, onde estava o Senhor escondido, pelo furto da galinha sara essa dor de ouvido”. A mulher rezou três vezes no marido e ele sarou.(São Paulo.SP.,1981) Faz uma cruz no ouvido e reza AM. Tudo três vezes. A história normalmente não é contada. Remédio: banha de traíra; sumo de saião. Esta oração tem grande semelhança com a oração contra o engasgo.
            MAL DE SIMIOTO  Doença que faz a pele grudar nos ossos. O doente fica com a feição de macaco(=símio). A rezadeira Jacomina(1994) de Ribeirão Preto(SP) cura com óleo de oliva. Deita o doente de bruço com os braços deitados sobre as costas. Esfrega o óleo simultaneamente do pé da perna esquerda até à cintura e do ombro do braço direito até à mão, depois na perna direita e no braço esquerdo. É tratamento “encruzado”. Com muita paciência trata sobretudo as juntas. Depois vira o corpo de barriga para cima e depois sopra 3 vezes de cima até em baixo, reza 3 PN e 3 AM e oferece ao Santo Sepulcro de Jerusalém.



ALGUMAS CAUSAS DOS GRANDES SOFRIMENTOS DOS POBRES:
            ABORTO  é a quinta causa da mortalidade feminina no Brasil(1993). Mais morrem as mulheres carentes.
            ACIDENTE DE TRABALHO  O Brasil é considerado o país campeão do mundo em que ocorre o maior número de acidentes de trabalho em relação ao número total de trabalhadores, sendo a construção civil a atividade mais afetada. Causa: o desprezo do patrão pelo trabalhador e a ganância do rico.
            ALCOOLISMO   Depois do câncer e doenças do coração, a doença do alcoolismo vem como terceira causa de morte.
            DROGA  A atual crise de identidade cultural, a crônica incapacidade dos governos de solucionar os problemas sociais, a desestruturação familiar e certa decadência da religião são algumas das causas do uso patológico das drogas.
            SUBNUTRIÇÃO  A pobreza, responsável pela falta de alimentos, é a principal causa da fraqueza. Principal causa da mortalidade infantil. “Mais de trinta milhões de brasileiros passam fome. Quase 70% da população não se alimenta suficientemente para ter saúde(1993).”7 Essa massa faminta se formou nos últimos 15 anos e é resultado de uma constante recessão e da falta de políticas públicas.
            POLUIÇÃO  Assunto ligado à saúde pública.
            VERMINOSE  Muito comum no Brasil e causado pela falta de higiene e de saneamento básico, pela miséria e desinformação do povo.
 

CAUSAS APONTADAS PELO POVO:

            AGOURO (AGOIRO)  Diversas coisas são proibidas por agourar a mãe.
            SOPRO  Soprar no pó é sinônimo de feitiço. Dizem: As coisas da macumba vem pelo ar.
            URUCUBACA, ENCANTAMENTO, COISA FEITA e FEITIÇO e FÓRMULAS MÁGICAS   Obra de fada, bruxo ou feiticeiro. Por sua ação mágica e seu poder sobrenatural, um monstro pode ser um príncipe encantado.
            MANDAR  O mal que nos aflige pode ser um mal mandado.
            PRAGA  Rogar praga pode causar uma doença ou o atraso.
            MAU-OLHADO ou OLHO RUIM   Energia negativa que faz o outro adoecer de quebranto principalmente crianças.
            FUMAÇA  Trabalho feito pelo mestre do catimbó. Fumaça às direitas indica todo o trabalho para o bem, cura de doença, conselho, desmanche de feitiço, oração de proteção. Fumaça às esquerdas é o trabalho para o mal, desmanchar casamento, causar doença, atrapalhar negócios.
            ESPÍRITO MAU e ENCOSTO  Causa: um espírito mau e os vermes de doentes, possessos de demônio ou encosto. Precisa de exorcismo.
            VONTADE DE DEUS ou Castigo. Pode ser obra de algum santo malino, quando o povo não cumpre a promessa feita.
            OMOLU ou OMULU  Na Bahia, o “orixá da peste e da bexiga” tem o título de médico dos pobres, mas pode assustar os humanos. Na umbanda, Omolu é divindade da lepra e da peste.
            OSSÁIN ou OSSÃE  O orixá, senhor das folhas medicinais e rituais, também as venenosas.
            LUA NOVA   A lua pode endoidar e influencia a menstruação das mulheres.
            SOL  As orações contra dor de cabeça pretendem tirar o sol da cabeça.
            AR BRABO, MAU AR e MAL-DE-VENTO-EXCOMUNGADO   O mesmo que ar brabo, ar estupor, moléstia do tempo. Cortam o vento colocando uma tesoura aberta, isto é em forma de cruz. Poderia trazer coisa ruim(doença, coisa mandada).
            CALOR DO FOGO  Os que lidam com o calor do fogo correm o risco de pegar uma constipação quando ao mesmo tempo se expõe ao frio da chuva ou do vento. É uma espécie de derrame cerebral ou congestão. Também chamado ar-estupor.
MOSCAS e MOSQUITOS causam bicheira, dengue, malária.
            CAUSAS DA CEGUEIRA: catarata, glaucoma, varíola, sarampo, diabete.
            VENENO:  Cobreiro vem de aranha, lagartixa, sapo e todos os animais que tem peçonha. Picada de cobra.
            BACILOS:  causam cólera e hanseníase.
            MICRÓBIOS: causam a doença de chagas. O termo moderno entrou numa oração da tradição oral contra dor de dente: Santa Apolônia, que por amor de Jesus fostes martirizada, dizei comigo estas palavras, fazendo comigo o sinal da cruz sobre o lugar dolorido. † Por minha ordem afasta-te, mal. † Se for uma gota de sangue, secará. † Se for um verme ou micróbio, morrerá. Assim seja. Rezar um Creio em Deus Pai.8
            PARASITAS causa a esquistossomose.
            VERMES causam dor de dente.
            ARROTO DA CRIANÇA NO PEITO DA MÃE deixa o peito arruinado.

OUTRAS CAUSAS:

            OS HUMORES DO CORPO: Segundo as antigas teorias dos humores do corpo, o desequilíbrio dos fluidos causava doença. As doenças podem ter três causas. A primeira depende da vontade humana: alimentação, tipo de trabalho, descanso, relações. A segunda está no clima, mudança de temperatura, ventos, estação do ano. A terceira consiste em fatores hereditários. Em caso de doença, supõe-se que todo homem possui uma força curadora que promove o equilíbrio dos humores.
            QUATRO ELEMENTOS: Terra, água, ar e fogo. O antigo livro do “Lunário Perpétuo”9 elabora as ligações entre os quatro elementos, as quatro estações, as qualidades: quente,frio, seco e úmido, e os quatro humores: sangue, fleuma, melancolia e cólera.    Para entender a cultura popular precisamos lembrar-nos sempre dos quatro elementos e da influência cósmica. A doença (a dor) é soprada; dor e febre (calor) são mandados para a água: o fundo do mar, para tirar o sol da cabeça põe-se uma garrafa d’água na cabeça, em nome de Deus.    Os quatro elementos aparecem nas orações populares contra queimaduras.  
Uma esconjuração ou um exorcismo visa afastar um espírito mau, o demônio, um encosto ou alguma outra causa espiritual.
- Outras orações pedem a Deus e aos santos para os remédios funcionar, ou para mostrar misericórdia e abrandar um castigo.
            - Apertar, puxar, endireitar servem para pôr um osso rendido, uma espinhela caída ou uma arca no seu devido lugar.
            - Fazer sangria, dar purgante, banhar podem buscar o equilíbrio dos humores do corpo.
            - Simpatias e amuletos tentam atrair as influências favoráveis do elemento mineral, vegetal, animal e mesmo cósmico.
            - Plantas medicinais corrigem o mau funcionamento algum órgão do corpo. Antibióticos eliminam bacilos e micróbios, segundo o povo.
            - Em muitas doenças, as causas e os remédios são vários. A bênção juntamente com o remédio visam salvar o doente como um todo. 


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
1. ALVES, Paulo César Borges. "A Dimensão Social da Doença no Jarê." In: Cadernos do CEAS. Nº150. Março/Abril, 1994. p.70.
2. DINIZ, Pompílio. Poemas. Goiânia, 1987. p.55-58(citamos apenas 7 versos).
3. LACERDA, Regina. Folclore Brasileiro. Rio de Janeiro, Funarte, 1978. p.60.
4. CÉSAR, Getúlio. Crendices no Nordeste. Rio de Janeiro, Ir.Pongetti Ed., 1941. p.66.
5. Registrado por: Maria José Esteves. Divinópolis(MG), 1973.
6. Informante: Irene França dos Santos, abril de 1984. Apud: Souza, José Evangelista. Pe. C.M. Raízes e Histórias. Vol.I. Petrópolis, Vozes, 1989. p.53.
7. Jornal Previcaixa. Out/1993. p.2.
8. Registrado por: Míriam Edinée Leodoro. Divinópolis(MG), 1973.
9. Livro cujo título completo é "O non plus ultra do Lunário e Prognostico perpétuo geral, e particular para todos os reinos e provincias." Composto por Jeronimo Cortez Valenciano. Emendado e traduzido em português por Antonio da Silva Brito. Lisboa, Typ.de Matias José Marques da Silva, 1858. A primeira edição em português é de 1703. Em 1594 saiu a primeira edição em castelhano.
10. Porantim. Ano XIII Nº136.(Brasília.Março/1991) p.11.
11. ROMERO, Sílvio. Cantos populares do Brasil. Tomo II. Rio de Janeiro, José Olímpio Ed., 1954. p.678.
12. NEGRÃO, Walter. et alii. Rezas, benzeduras, simpatias. São Paulo, Ed.Três, sem data. p.413.
13. MERHEB, Alice Inês Silva. Sol e chuva ... Casamento de viúva. Viçosa, U.F.V., 1976. pp.34-35.
14. AZEVEDO, Téo. Plantas medicinais, Benzeduras e Simpatias. São Paulo, Global Editora, 1984. p.172.

 http://www.religiosidadepopular.uaivip.com.br/medicina.htm#Cap%C3%ADtulo%201


deixe seu recardo aqui

Nome

E-mail *

Mensagem *

Ocorreu um erro neste gadget

Postagens populares

Total de visualizações de página